agro2-Logo-preta

Congresso recebe iluminação laranja em apoio às ações de combate ao abate de jumentos no Brasil

Senado Federal

O Congresso Nacional recebe nesta segunda-feira (20/6) uma iluminação laranja como forma de demonstrar apoio às ações de combate ao abate de jumentos no Brasil. A proposta foi feita pelo deputado Ricardo Izar (Republicanos-SP).

De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), houve queda populacional de 38% desses animais entre os anos de 2011 e 2017. Por isso, ambientalistas argumentam que a quantidade de jumentos no Brasil está diminuindo e correm o risco de extinção.

Leia também: Abate de bovinos e suínos apresenta crescimento no 1º trimestre de 2022

Segundo o Ministério da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento, entre agosto de 2017 e setembro de 2018, apenas um abatedouro somou 44 mil abates de jumentos, isso fora as mortes ocorridas durante transporte e as causadas por doenças.

Jumentos

Jumentos. Foto: Reprodução/ Polícia Civil

A principal demanda do abate dos animais é internacional, para produção do chamado ejião, que é feito a partir do colágeno da pele de jumentos. O comércio implica na captura, transporte irregular, confinamento e abate para a exportação da pele. Toda essa comercialização é feita sem exames ou comprovação de status sanitário para as doenças de notificação obrigatória que podem acometer humanos.

Política: Comissão da Câmara debate falta de insumos agrícolas para a próxima safra

Falta de cuidados

Jumentos

Abate de jumentos no Brasil. Foto: Divulgação

Os cuidados com os jumentos muitas vezes também são precários. Segundo a Câmara dos Deputados, em muitos casos foram registrados animais provados de água, alimento e cuidados veterinários.

Dados do Ministério da Agricultura, Pecuária de Desenvolvimento de 2021 mostram que jumentos doentes, filhotes e fêmeas prenhes são abatidos de forma recorrente, chegando a média de 5 mil animais por mês na Bahia.

Em 2018, o Conselho Regional de Medicina Veterinária do Estado da Bahia previu que os jumentos seriam extintos em até 4 anos, ou seja, neste ano de 2022.